No proximo dia 09 de dezembro ( 2º Domingo) o povo evangélico estará comemorando o Dia da Bíblia. Usando as palavras do Rev. Hernandes Dias Lopes podemos afirmar:

“A Bíblia é o livro dos livros. Inspirado por Deus, escrito pelos homens, concebido no céu, nascido na terra, odiado pelo inferno, pregado pela igreja, perseguido pelo mundo e crido pelos fiéis.

A Bíblia é o livro dos paradoxos: é o livro mais lido e o mais desconhecido. É o livro mais amado e o mais odiado. É o livro mais obedecido e o mais escarnecido. É o mais pregado e o mais combatido.

A Bíblia tem sido o farol de Deus na escuridão da história. Ela é o farol que orienta o nauta. Ela é o mapa que norteia o caminhante. A Bíblia é o coração de Deus aberto. É o braço de Deus estendido. É a vontade de Deus declarada.

Na Bíblia os céus e a terra se abraçam. O infinito toca o finito. O eterno invade o temporal. O divino e o humano se encontram.

A Bíblia é a espada do Espírito – poderosa arma de combate contra as hostes inimigas que conspiram contra nós, que com sutilezas vis tentam nos arrastar na correnteza do pecado e nas seduções do mundo.

A Bíblia é o bisturi de Deus que corta e amputa os tumores infectos da alma e cirurgia os abcessos do coração.

A Bíblia é fogo que consome os entulhos da nossa vida e queima a pragana que suja a nossa alma.

A Bíblia é martelo que quebra as nossas resistências e a dureza pertinaz do nosso coração.

A Bíblia é o livro de Deus. É o livro do céu. É o livro dos livros. É o livro acorrentado que tem trazido livramento. É o livro queimado nas fogueiras que tem tirado vidas das chamas do inferno. É o livro odiado que tem ensinado o perdão. É o livro que aponta para a salvação!”

Por que cremos na Bíblia? No estudo passado estudamos a visão que a própria Escritura tem de si. Os chamados testemunhos internos da autenticidade bíblica. No estudo deste mês abordaremos os testemunhos externos que comprovam esta autenticidade.

 

  1. O Testemunho da História da Igreja

Historicamente, todos os segmentos da Igreja têm sustentado que devemos acatar as palavras dos apóstolos e de seus colaboradores (entre eles Marcos e Lucas) como Palavra de Deus. Dentre estes segmentos históricos podemos destacar:

 

A)    O Testemunho dos “Pais da Igreja” ou “Pais Apostólicos”

Os “pais da Igreja” viveram depois da era apostólica, e muitos deles zelaram pelo ensino dos apóstolos. Cito apenas dois:

(a)    Papias – Viveu por volta do ano 140 d.C. A história nos conta como buscou conhecer os ensinos e costumes apostólicos a partir de pessoas que haviam convivido com eles. Nesse contexto, ele menciona sete dos doze apóstolos. É sabido que escreveu uma obra de cinco volumes a respeito dos evangelhos. Esse livro, infelizmente, perdeu-se, mas algumas citações dele  nos contam cmo o Novo Testamento era aceito pela Igreja Primitiva. Tais fragmentos estão preservados na História Eclesiástica de Eusébio, escrito aproximadamente em 300 d. C.

(b)   Policarpo – Foi um famoso mártir que deu a vida pela causa de Cristo já em idade avançada. Morreu aproximadamente em 155 d. C., tendo sido cristão, como mesmo disse, por 86 anos. Escreveu uma epístola aos filipenses em 118 d. C., contendo citações de cerca de metade do Novo Testamento. Disse que os apóstolos são semelhantes aos profetas do Antigo Testamento em autoridade e inspiração.

 

B)    O Testemunho dos Reformadores – Os reformadores do século XVI reafirmaram a supremacia da Escritura sobre a tradição católica. João Calvino afirmou que “a Escritura é a escola do Espírito Santo na qual nem se tem deixado de por coisa alguma necessária e útil de conhecer, nem tampouco, se ensina mais do que é preciso saber”.

 

  1. O Testemunho das Descobertas Arqueológicas – Os Manuscristos do Mar Morto

No ano de 1947, um pastor árabe atirou uma pedra para dentro de uma caverna próxima ao Mar Morto e ouviu o som de um vaso quebrado. Agora todos conhecem a história deste pastor que levou à descoberta de muitos pergaminhos e escritos judaicos naquelas cavernas.

O tesouro encontrado abrange dois tipos de documentos, sendo o primeiro deles composto por manuscritos não bíblicos. Esses escritos mostram que a Comunidade de Qumram considerava os livros do Antigo Testamento uma obra escrita pelo próprio Deus através do seu Espírito, por intermédio dos profetas.

O segundo grupo de manuscritos encontrados na região do Mar Morto é composto por manuscritos bíblicos. Todos os livros do Antigo Testamento, com exceção de um – Ester – foram encontrados naquelas cavernas. O pergaminho mais extenso é o de Isaías, preservado em sua totalidade e em boas condições. Aparentemente remonta ao ano de 125 a.C. Alguns documentos são ainda mais antigos.

Os manuscritos do Mar Morto são extremamente semelhantes à Bíblia Hebraica da atualidade. Provam que os copistas, desde o segundo século antes de Cristo, realizaram um trabalho extremamente cuidadoso.

 

  1. O cumprimento de profecias bíblicas

As profecias bíblicas trazem previsões explícitas, precisas, e geralmente, de longo prazo. Os profetas assim falavam por que Deus lhes dava uma visão sobrenatural e informações minuciosas sobre os fatos futuros. Essa é uma das provas vitais da autenticidade da Bíblia como um todo.

Exemplos do Cumprimento de Profecias:

a)      Relacionadas a pessoa de Jesus Cristo

Fato

Profecia

Cumprimento

Jesus Cristo é descendente de Abraão e Davi

Gênesis 12:3

Isaías 11:1

Mateus 1:1

Maria achou-se grávida pelo Espírito Santo

Isaías 7:23

Mateus 1:18

Jesus nasceu em Belém da Judéia

Miquéias 5:2

Mateus 2:6

Jesus e sua família estiveram exilados o Egito

Oséias 11:1

Mateus 2.15

Jesus passou a maior parte do seu ministério na Galiléia

Isaías 9:1,2

Mateus 4:12

Jesus sofreu pelos nossos pecados

Isaías 53

Mateus 27:33-50

Jesus ressuscitaria

Salmo 16:10

João 20

 

b)      Profecias cumpridas na atualidade

Fato

Texto

O Estabelecimento do Estado de Israel em 1948, após centenas de anos de dispersão.

Ezequiel 36:24; 37:21,22; Amós 9:14,15

Atos 1:6

O anelo por paz no Oriente Médio

1 Tessalonicenses 5:3

A pregação do evangelho a todas as nações

Mateus 24:14

 

Mesmo diante de tantas evidências os céticos sempre terão os seus argumentos. A Escritura nos afirma que nos últimos dias haveria esfriamento da fé e apostasia (2 Tessalonicenses 2:2). É através da Bíblia que encontramos o alimento necessário para a nossa alma (1 Pedro 2:2, Salmo 119:103,105). Não permita que as influências externas venham a impactar negativamente à sua fé, o seu compromisso com Deus. Deus deseja usá-la nestes últimos dias de maneira extraordinária. Maranata!